Segundo Tempo: uma recapitulação

0 377 0

20/04/2017 POR: Guide Investimentos

Destaques: o dia segue positivo nos mercados globais, e os investidores ampliam seu apetite por risco nesta tarde. No EUA, resultados corporativos acima do experado. Na França, os mercados ganham fôlego após novas pesquisas, que mostraram a candidata Marine Le Pen perdendo de seus concorrentes no segundo turno da eleição. No Brasil, aproxima-se o feriado prolongado, e noticiário dá destaque aos desdobramentos da Lava Jato. Viana, do BC, faz recapitulação da política monetária do BC, em Washington.

Cenário Externo: dados fracos nos EUA, mas segue a recuperação dos ativos de risco.

A safra de balanços, com resultados corporativos acima do esperado pelos analistas, dá fôlego às bolsas internacionais. No entanto, mesmo com o cenário mais otimista na sessão de hoje, a preocupação quanto à geopolítica ainda segue no radar dos investidores.

Nos EUA, destaque para os ativos da Blackstone, que informou um crescimento robusto no lucro e avança forte no início desta tarde. Ainda por lá, vale dizer que as bolsas alcançam suas máximas, após notícias de que o Partido Republicano irá colocar em votação, na próxima quarta-feira, um novo projeto para a área da saúde.

No front “macro”, mais dados mistos sobre a economia dos EUA. Indicadores antecedentes do país, medidos pelo Conference Board, mostraram avanço de 0,4% em março, depois de avançar 0,5% em fevereiro (comparações mês a mês). Além disso, o índice de atividade do Fed da Filadélfia recuou de 32,8 pontos em março para 22 pontos em abril (abaixo dos 25,5 esperados pelo mercado).

Na Europa, os desempenhos positivos de empresas como Unilever e Nestle contribuíram para o melhor momento dos índices acionários da região. E pesquisas eleitorais na França mostraram o candidato Emmanuel Macron com certa vantagem contra Marine Le Pen, algo que também dá ânimo extra aos mercados.

Ainda no setor externo: investidores monitoram a “reunião de primavera” do FMI e do Banco Mundial, em Washington. A programação, que englobará líderes de diversos países (inclusive do Brasil), vai até domingo, dia 23.

Num cenário sem novidades sobre a relação EUA-Coreia do Norte, e maior otimismo em relação às eleições francesas, ativos de risco seguem em recuperação. Bolsas e juros das Treasuries vão operando em alta nesta tarde.

Brasil: Ibovespa segue em alta; Viana reforça manutenção do ritmo de cortes.

O ânimo do mercado internacional influencia o Ibovespa, que avançou de forma expressiva na manhã de hoje. A valorização das commodities contribuía de forma positiva. Entre os destaques, as ações da Vale avançam forte, beneficiadas pelos dados de produção, divulgados hoje pela manhã, e pela melhora do preço do minério de ferro na China. As ações da Usiminas também operam em alta, após bons resultados divulgados sobre o 1º tri.

Na outra ponta, as companhias de saneamento apresentam forte queda na sessão de hoje. Os ativo são influenciados pela decisão da Arsae, que estabeleceu aumentos preliminares da tarifária da companhia Copasa abaixo daquilo que era esperado pelo mercado. De modo geral, o setor desperta cautela.

No front politico, o mercado volta a atenção às delações no âmbito da Lava Jato. O ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, em audiência pela manhã, reconheceu o apartamento do Guarujá como propriedade do ex-presidente Lula. Pinheiro ressaltou que o bem fez parte de um total de R$3,7 mi em propinas pagas a Lula, e está próximo de fechar acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Do lado positivo, ainda podemos destacar a aprovação da urgência da reforma trabalhista (falamos disto nesta manhã). A Previdência também é centro das discussões. Nesta tarde, o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, afirmou que novo abrandamento do texto proposto “vai atrapalhar a trajetória da queda de juros e a recuperação da economia”.

Sobre a queda de juros: não é dia de aumentar apostas com relação à intensificação do ritmo de cortes da Selic pelo BC. Na BM&F, vemos os DIs ligeiramente pressionados para cima, embora a percepção de risco-país esteja no zero-a-zero.

Aliás, vale destacar: apresentação do diretor Carlos Viana (intitulada “Recapitulação da política monetária”), do BC, em Washington, reforça a interpretação que tivemos da última ata do Copom. Segundo ele, diante do cenário atual, o atual ritmo de cortes (-1 p.p., como foi o do Copom de abril) segue apropriado para o próximo Copom (dias 30 e 31 de maio). Isso é importante. Afinal, havia questionamentos sobre a interpretação do parágrafo 22 da ata, que tocava neste assunto.

Sobre os movimentos no pregão de hoje*:

Ibovespa: +0,06%, aos 63.443 pontos;
Real/Dólar: +0,31%, cotado a R$3,163;
Dólar Index: +0,01%, 99.749;
DI Jan/21: +07 pontos base; 10,0 %;
S&P 500: +0,84%, aos 2.358 pontos.

*Por volta das 14h53, horário de Brasília. Obs.: a taxa de câmbio utilizada é a referência da Bloomberg.

Contatos
Renda Variável*


Luis Gustavo – CNPI
[email protected]

Equipe Econômica

Ignácio Crespo Rey
[email protected]

Lucas Stefanini
[email protected]

Guilherme Vasone
[email protected]

Rafael Gad
[email protected]

*A área de Renda Variável é a responsável por todas as recomendações de valores mobiliários contidas neste relatório.
“Este relatório foi elaborado pela Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores, para uso exclusivo e intransferível de seu destinatário. Este relatório não pode ser reproduzido ou distribuído a qualquer pessoa sem a expressa autorização da Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores. Este relatório é baseado em informações disponíveis ao público. As informações aqui contidas não representam garantia de veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade das mesmas e não devem ser consideradas como tal. Este relatório não representa uma oferta de compra ou venda ou solicitação de compra ou venda de qualquer ativo. Investir em ações envolve riscos. Este relatório não contêm todas as informações relevantes sobre a Companhias citadas. Sendo assim, o relatório não consiste e não deve ser visto como, uma representação ou garantia quanto à integridade, precisão e credibilidade da informação nele contida. Os destinatários devem, portanto, desenvolver suas próprias análises e estratégias de investimentos. Os investimentos em ações ou em estratégias de derivativos de ações guardam volatilidade intrinsecamente alta, podendo acarretar fortes prejuízos e devem ser utilizados apenas por investidores experientes e cientes de seus riscos. Os ativos e instrumentos financeiros referidos neste relatório podem não ser adequados a todos os investidores. Este relatório não leva em consideração os objetivos de investimento, a situação financeira ou as necessidades específicas de cada investidor. Investimentos em ações representam riscos elevados e sua rentabilidade passada não assegura rentabilidade futura. Informações sobre quaisquer sociedades, valores mobiliários ou outros instrumentos financeiros objeto desta análise podem ser obtidas mediante solicitações. A informação contida neste documento está sujeita a alterações sem aviso prévio, não havendo nenhuma garantia quanto à exatidão de tal informação. A Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores ou seus analistas não aceitam qualquer responsabilidade por qualquer perda decorrente do uso deste documento ou de seu conteúdo. Ao aceitar este documento, concorda-se com as presentes limitações.Os analistas responsáveis pela elaboração deste relatório declaram, nos termos do artigo 17 da Instrução CVM nº. 483/10, que: (I) Quaisquer recomendações contidas neste relatório refletem única e exclusivamente as suas opiniões pessoais e foram elaboradas de forma independente, inclusive em relação à Guide Investimentos S.A. Corretora de Valores.“

0 377 0

Cadastre-se e receba nossos conteúdos exclusivos



Comentários (0)

Ordenar por:

Desculpe, comentários para esta entrada estão fechados neste momento.

Nenhum comentário

Você pode ser o primeiro a comentar!

Bitnami